Análise acústica da fala suavizada: estudo de caso em gagueira

jun 01, 2012 | por Sandra Merlo | Gagueira, Prosódia, Tecnologia de fala, Tensão muscular

 

Sandra Merlo & Plínio Almeida Barbosa

Grupo de Estudos de Prosódia da Fala, Departamento de Linguística,
Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

 

RESUMO A suavização é uma estratégia utilizada no tratamento comportamental da gagueira. A estratégia reduz a frequência da gagueira, mas também modifica a prosódia da fala. O objetivo desta pesquisa é comparar diversos parâmetros acústicos da fala suavizada em relação à fala habitual. Para tanto, foi realizado um estudo de caso. O sujeito da pesquisa foi um homem adulto, falante nativo do português brasileiro, com gagueira desde a infância. Ele leu frases-veículo que continham palavras-chave. Ao todo, foram utilizadas 21 palavras-chave: cada uma iniciando com uma das três plosivas não-vozeadas [p, t, k], seguidas por uma das sete vogais orais do português brasileiro [a, eh, e, i, oh, o, u]. As palavras-chave foram do tipo [‘CVCV]. Todas as frases foram lidas cinco vezes com a forma habitual e suavizada de fala. Os resultados indicaram que a frequência da gagueira diminuiu com a fala suavizada (p < 0,001). A fase de oclusão das plosivas, as palavras-chave e as frases apresentaram duração reduzida (p < 0,001), enquanto a fase de soltura das plosivas e o tempo de início do vozeamento apresentaram duração aumentada (p < 0,001) na fala suavizada em relação à fala habitual. Esses achados sugerem que a fala suavizada é um modo hipoarticulado de fala. Também houve diminuição da frequência fundamental das vogais e das palavras-chave (p < 0,001), indicando que a fala suavizada é aplicada em nível glótico. Não houve modificações nos três primeiros formantes das vogais, indicando que a fala suavizada não altera a precisão articulatória. Também houve redução da inclinação espectral das sentenças (p < 0,001), sugerindo que a fala suavizada aumenta a energia sonora em altas frequências. Portanto, a suavização não apenas reduz o número de hesitações gaguejadas, mas também modifica significativamente a prosódia da fala.

 

ABSTRACT “Smooth speech” is a strategy used in the behavioral treatment of stuttering. It reduces stuttering frequency but it also changes speech prosody. The purpose of this research is to compare several acoustical parameters of smooth speech with regard to habitual speech. A case study design was done. The subject was a male adult, native speaker of Brazilian Portuguese, who stuttered since childhood. He read carrier sentences with embedded keywords. There were 21 keywords: each one beginning with one of three voiceless stops [p, t, k], followed by one of the seven oral vowels of Brazilian Portuguese [a, eh, e, i, oh, o, u]. The keywords were in the form [‘CVCV]. All sentences were read five times with the habitual and the smooth manner of speaking. The results indicated that stuttering frequency decreased with smooth speech (p < 0,001). The occlusion phase of stops, the keywords, and the sentences showed decreased duration (p < 0,001), while the burst of stops and the voice onset time showed increased duration (p < 0,001) in smooth speech with regard to habitual speech. This suggests that smooth speech is a hypoarticulated manner of speaking. There was also decrease in the fundamental frequency of vowels and keywords (p < 0,001), suggesting that smooth speech is also applied at the glottal level. There were no changes in the first three formants of vowels, which mean that smooth speech does not change articulatory precision. There was also decrease in the spectral tilt of sentences (p < 0,001), which means that smooth speech increases energy in high frequencies. Therefore smooth speech not only reduces stuttered hesitations, but also significantly modifies speech prosody.

 

Para ler o artigo científico na íntegra, clique aqui.

 

 

Nenhum comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment